CORRENTE RUSSA PARA QUE SERVE?

CORRENTE RUSSA  PARA QUE SERVE?

Na década de 80, foi verificado que os astronautas russos, ao retornarem da missão espacial, sofriam de flacidez, atrofia, e fadiga muscular. Observando este quadro, cientistas desenvolveram uma corrente excitomotora para solucionar o problema no menor tempo possível. 

A Corrente Russa é indolor e extremamente eficiente no tratamento da flacidez, modelagem corporal e recuperação com aumento da força muscular. Não é uma ginástica passiva. O paciente participa ativamente do tratamento. É eficaz para homens e mulheres porque respeita a fisiologia muscular e o seu metabolismo, trabalhando as fibras vermelhas e brancas proporcionando resultados rápidos e altamente satisfatórios. 

O tratamento é feito com um equipamento tecnologicamente avançado, diferente das outras correntes existentes por ser de média frequência, fixada em 2500HZ, duplamente modulada, provocando maior contração até os músculos em planos profundos. 
Na primeira modulação, selecionamos o tipo de fibra a ser trabalhada, assim como a carga aplicada à musculatura. Na segunda, o tempo de sustentação da contração e o intervalo de tempo entre contrações consecutivas. Somente esse tipo de modulação é capaz de atingir todos os tipos de fibras que compõem um músculo e que se classificam em: 

• Fibras vermelhas: Ativadas primeiramente em um movimento, são responsáveis pela atividade postural, movimentos lentos e moderados. Têm grande capacidade de concentração, são resistentes e dinâmicas. Sua frequência tetânica fica entre 20 HZ e 30 HZ. 

• Fibras intermediárias: Não tão resistentes quanto às vermelhas, nem tão rápidas como as brancas, são trabalhadas em exercícios de baixo impacto. 

• Fibras brancas: Recrutadas numa atividade de explosão, alta velocidade ou movimento de destreza. Para ativá-las é necessária uma frequência entre 50 HZ e 100 HZ. São responsáveis pelo aparecimento da flacidez, principalmente a partir dos 40 anos, quando diminuem, significativamente, até a ausência do neurotransmissor que excita a contração destas fibras. Por ser uma fibra superficial, é responsável pelo contorno corporal, e a dificuldade em recrutá-la nos movimentos rotineiros faz da Corrente Russa um recurso exclusivo de excelente resultado no combate à flacidez associado à modelagem corporal. 

Outra característica da Corrente Russa é sua capacidade de realizar, de forma verdadeira, uma contração isométrica, isotônica e isocinética trabalhando o músculo em sua capacidade máxima num tempo de terapia reduzido em relação a outros recursos. Sua utilização é fácil, podendo ser trabalhados vários grupos musculares, respeitando os agonistas e antagonistas em contrações alternadas. 

Usando como exemplo o caso do membro superior; quando trabalhamos os músculos bíceps (flexor do antebraço) e tríceps braquial (extensor do antebraço), quando acontece à estimulação elétrica no músculo bíceps, o tríceps deve ficar em repouso. No momento do repouso do bíceps, acontece o estímulo da contração do tríceps. Assim, o princípio de agonismo e antagonismo continuam preservados. Caso sejam colocados os dois músculos para contraírem ao mesmo tempo, a força de contração de um, anula a contração do outro e em nenhum dos dois ocorrerá uma contração muscular eficaz. No caso de uma contração simultânea, ainda ocorre o risco de lesão muscular, pois como dito anteriormente, o paciente deve participar ativamente da contração (ou seja, ele deve fazer o movimento muscular no mesmo momento do estímulo elétrico no músculo). E se ele realizar uma contração de um músculo no momento em que seu antagonista também for estimulado, este último poderá sofrer uma lesão. Portanto, este princípio deve ser respeitado.

Um fator que também chama a atenção é a quantidade de energia necessária a um bom resultado, respeitando os parâmetros fisiológicos musculares. Essa característica se define na relação de fase em que o profissional vai determinar a carga (20%, 35% e 50%) de acordo com as condições apresentadas pelo paciente e sua evolução no decorrer das sessões. O tempo de exposição e o tempo de relaxamento é outro ponto importante a ser avaliado, já que se alteram de acordo com a progressão das sessões. 

Também pode ser utilizada como tratamento preventivo para que seja mantido o fortalecimento muscular. Por ter uma corrente de média frequência, ela tem a capacidade de realizar uma contração muscular vigorosa, ativando mais unidades motoras para esse processo. A corrente russa é a mais indicada para combater e melhorar a flacidez já instalada. Como sabemos, essa modalidade de corrente consegue gerar tanto o fortalecimento muscular, quanto o aumento do trofismo muscular, determinando, assim, a reversão do quadro. 

Temos como efeitos fisiológicos da Corrente Russa: 

• Aumento da vascularização; 

• Melhora do tecido conjuntivo em razão da eliminação dos detritos toxímicos; 

• Melhora do aporte de enzimas e nutrientes na corrente sanguínea; 

• Melhora da circulação linfática, eliminando as toxinas acumuladas nas células responsáveis por todas as reações inestéticas; 

• Aumento da flexibilidade tissular; 

• Tonificação e fortalecimento muscular. 

É utilizada nas seguintes patologias estéticas: 

Hipotonia muscular de: 

• Abdômen; 
• Glúteos; 
• Membros inferiores; 
• Membros superiores; 
• Interno de coxa. 

Fortalecimento e aumento de tônus muscular: 

• Pós-parto; 
• Pós-emagrecimento; 
• Pré e pós-lipoaspiração. 

Melhora da performance de atletas: 

• Recuperação da força muscular; 
• Melhor rendimento; 
• Preparação para qualquer trabalho; 
• Reeducação postural; 
• Estimulação do fluxo sanguíneo e linfático.